3 museus sobre chás para visitar nos Estados Unidos

06 fev 19
3 museus sobre chás para visitar nos Estados Unidos

Se assim como a gente, você é um apaixonado por tudo que envolve a cultura do chá, vai gostar deste post. Nossa equipe visitou três museus diferentes, que têm em um comum um tema: a cultura oriental e o apreço pelo chá. Foram experiências totalmente distintas,

Asian Art Museum e Chinese Historical Society of America, ambos em São Francisco e o Wang Lao Ji Herbal Tea Museum, em Nova York. Cada qual possui características e propostas distintas e por isso, vamos compartilhar a nossa percepção sobre eles!

Sobre a viagem

No mês de janeiro deste ano, o Clube de Assinaturas de Chá comemorou 2 anos. E para celebrar essa data, a nossa sommelière, Helena Leigue fez uma viagem de pesquisa de chás nas cidades de Nova York e San Francisco, com o objetivo de entender as tendências do serviço de chá,  as experiências oferecidas aos clientes, experimentar chás diferentes e explorar as lojas da região.

Entre os roteiros, muitas casas de chás, lojas, restaurantes e claro, museus. Embora os Estados Unidos não seja o berço do chá, algumas cidades possuem muita influência asiática, o que reflete na oferta e demanda do chá,  que além de ser uma bebida muito comum por lá, é ideal para aquecer na temporada de frio.

As principais dicas e relatos de viagem estão aqui no blog, aproveite para ler depois!

A escolha dos museus foi uma oportunidade para entender um pouco da história e influência cultural na região e como ela é retratada nos acervos. A seguir, contamos sobre cada um dos dois museus que possuem, em suas exposições, artigos históricos de chás.

Museu de Arte Asiática (Asian Art Museum)

Fachada do museu de arte asiática

A estrutura colossal de mármore é surpreendentemente bela e impactante. O Museu de Arte Asiática – Centro Chong Moon Lee de Arte e Cultura da Ásia tem como objetivo reunir materiais, estética e realizações intelectuais da arte e cultura asiáticas, como uma ponte para envolver Estados Unidos e Ásia.

O museu foi fundado em 1966 e fazia parte de uma ala do Young Museu. O acervo inicial foi doado para a cidade de San Francisco por um milionário colecionador de arte asiática, conhecido como Avery Brundage, que ao longo dos anos, continuou fazendo doações de seu acervo pessoal. Ao todo, foram mais de 7 700 objetos doados.

Em 2003, espaço não suportava o total de itens e foi transferido par ao prédio que pertencia à biblioteca da cidade, localizada no Centro Cívico e que hoje é a sua sede oficial.

Atualmente o museu possui mais de 18 mil itens catalogados, alguns com mais de 6 mil anos e é considerado o maior dos Estados Unidos dedicado às artes da Ásia. O edifício possui três andares e é dividido em alas, com galerias dedicadas ao sul da Ásia, Irã e Ásia Central, Sudeste Asiático, Himalaia, China, Coréia e Japão.

Entre o acervo é possível encontrar desde esculturas de jade, budistas, cerâmicas decorativas, pinturas, móveis, tecidos e muito mais. No térreo há sempre uma exposição temporária, além de restaurante e loja do museu, que recomendamos a visita e já falamos dela aqui.

O museu é lindo e muuuuito grande!

Alguns dos itens do acervo do museu

Itens de chá em exposição no museu de arte asiática

Alguns dos utensílios de chá em exposição

O ingresso para a visita custa US$ 15. Uma dica bacana é que no primeiro domingo de cada mês a entrada é gratuita, conforme a disponibilidade e além disso, oferece visita guiada gratuita.

Diante dessa descrição toda, já deu para perceber que o museu é realmente grande, não é mesmo? Sua arquitetura e amplitude é muito bonita e inspiradora. Os itens são muito curiosos e há muita diversidade de objetos, dos mais curiosos aos incríveis.

Há muitas peças de chás, como bules e xícaras, mas diferente do esperado, não há muita explicação sobre origem ou história das peças, exceto pela inscrição da data de fabricação e autor. Então se você for a este com museu com a expectativa de ser daqueles históricos com muita explicação sobre os itens, pode se frustrar. É como uma exposição permanente, ideal para apreciar e ter novos olhares sobre a vida.

De maneira geral, o museu é lindo e muito, mas muito grande. É necessário ir sem pressa para apreciar cada ala e viajar no universo asiático.

A pequena loja de chá do térreo reserva muitas surpresas, entre itens de chás de coleção à venda aos mais inesperados, como a bolsa feminina em formato de bule. Há tea pets, chás e muitos utensílios bonitos, vale a visita.

Chinese Historical Society of America – Museu da Sociedade Histórica Chinesa e o Centro de Aprendizagem.

Chinese Historical Society of America

Entrada do museu

Esse é considerado um dos maiores e mais antigos acervos documentais dedicados à história e contribuição cultural dos chineses na América. Foi fundado em 1963 havia cerca de 250 mil chineses vivendo nos Estados Unidos e atualmente, já existem cerca de 4 milhões. Deu pra entender porque é tão importante a cultura chinesa no país?

O prédio tem uma arquitetura muito particular. E não é para menos, afinal, foi projetado por Julia Morgan, uma famosa arquiteta norte-americana responsável por criar mais de 700 edifícios na Califórnia. Ela ficou conhecida por ser a primeira mulher a obter o diploma de arquitetura no Estado, em 1894.

É um dos melhores museus para conhecer e compreender melhor a história da colonização e a importância de manter a cultura documentada e preservada. Além disso, é um museu muito interativo e instigante.

Há muitas fotos, pinturas, móveis, objetos e pertences pessoais expostos, que ajudam a imaginar um pouco sobre a construção histórica norte-americana sobre a óptica dos imigrantes orientais.

Sobre os itens relacionados ao chá, no início da visita é possível encontrar gaiwan e xícaras de porcelanas, bem no estilo chinês. Solicitamos ajuda à equipe do museu e eles foram muito amigáveis e ajudaram a acessar a coleção específica de utensílios de chá.

Itens como gaiwan e xícaras fazem parte do acervo histórico

museu-chinês-objetos

Um detalhe muito interessante das muitas informações que esse museu aponta é que por volta de 1840, 70% da importação dos Estados Unidos vinha da China.

E claro, outro ponto que vale a sua visita é a loja do museu. De tea pets, display para os tea pets e bules feitos com argila Yixing, alguns antigos, datados de 1990.

Ah, importante: este museu não é muito grande e não conta com opção de visita guiada. A entrada para adultos custa US$ 15.

Wang Lao Ji Herbal Tea Museum (NY)

museu-wang-jao-li-ny

Esse museu é super recente, foi inaugurado em novembro de 2018 em Nova York. Ele foi criado pela tradicional e uma das mais antigas marcas de chá chinesas -fundada em 1828- a Wang Lao Ji, também conhecida como Wong Lo Kat. Ela é tão popular na China que em 2018 alcançou um faturamento de 20 bilhões de yuanes, o equivalente a US$ 20 bilhões.

Até a criação deste post, não havia muita informação na internet sobre museu (para falar a verdade, quase nada), então foi uma visita totalmente às cegas. E a nossa dica é: não organize seu passeio exclusivamente para visitar o museu, apenas aproveite caso seu roteiro passe por ele. E já vamos explicar o motivo.

A estrutura do espaço é muito bem organizada, moderna por fora e com elementos chineses bem característicos no interior. No entanto, é um espaço muito pequeno, focado exclusivamente em contar a história da marca. Há uma apresentação multimídia que apresenta o passado brilhante da marca e as conquistas ao longo dos anos. E a exposição de alguns itens de chás.

Exposição museu wang jao li ny

No interior há uma loja de chás instantâneos da marca, onde eles servem infusões de  ervas aos convidados. Porém, elas são muito doces e sem o perfil dos chás especiais do quais estamos acostumados.

Entre os três museus visitados, esse foi o que menos despertou a atenção e o único que desapontou um pouco no quesito cultura e informação. Mas como tudo na vida é válido, valeu a visita!

Aproveite para ver outras dicas sobre viagens e chás aqui!