Chá escuro: o único tipo de chá fermentado

13 nov 19
Chá escuro: o único tipo de chá fermentado

O chá escuro é uma das 6 variedades de chá e se distingue por ter um perfil bem incomum e curioso. Afinal, esse é o único chá  que passa por uma etapa de fermentação, como o vinho.  Os dois chás escuros mais conhecidos são o puerh e o hei cha,

É importante ressaltar que o chá escuro não é a mesma que coisa que chá preto. Eles passam por etapas de processamento completamente diferentes e apresentam perfis distintos, como formato das folhas, aroma, sabor e aparência do licor.

O chá escuro recebe esse nome pela cor das folhas, que adquirem um tom escuro, que varia entre o marrom e preto. 

Existem duas variedades mais populares, puerh e hei cha. A principal diferença entre eles e é a região onde são produzidos.

O puerh é elaborado na região montanhosa de Yunnan, na China e recebeu esse nome em homenagem à cidade em que era cultivado. 

Em 2009, ele ganhou a denominação de “Identificação Geográfica Protegida. 

Essa classificação é uma garantia de que os chás produzidos seguem os métodos tradicionais e características originais de produção.

Outras regiões chinesas são conhecidas pela produção dos chás escuros, como Hunan, Sichuan, Hubei e Guangxi.

A origem dos chás diz muito sobre seu perfil. Por isso, adquirir um chá escuro produzido em um desses locais é garantia de provar uma bebida tradicional e com o perfil mais característico desse tipo de chá. É como provar um champagne da região de Champgne, na França.

Como surgiram os chás fermentados

A história do chá escuro é antiga e não há um consenso entre autores sobre a data exata em que foi descoberto. Mas o certo é que ele surgiu totalmente por acaso.

Durante muito tempo o chá era utilizado como moeda de troca entre a China e o Tibete.

Os comerciantes viajavam pela rota comercial a cavalo ou a pé,  em um caminho montanhoso, precário e longo, conhecido como a Rota da Seda.

Os chás eram armazenados em sacos e prensados, para facilitar o transporte. O clima era úmido e mudava constantemente, entre calor, chuva e frio.

Com a ação do tempo, o chá sofria uma ação química natural das bactérias, resultando em um chá com mofo.

Os comerciantes costumavam dar esse chá “estragado” à população pobre, que sofria uma epidemia de desnutrição, já que a vegetação e alimento era escasso em algumas regiões.

Assim, o ele se tornou a principal fonte de nutrição para muitas comunidades tibetanas.

A bebida ganhou popularidade ao longo do tempo e passou a ser transformada em uma variedade de chá.

Processamento do chá escuro

Assim como todos os tipos de chás da Camellia sinensis, o escuro também precisa ser processado para se transformar em chá.

Após a colheita das folhas maiores, elas são murchadas, enroladas à mão ou em máquinas e em seguida, sofrem a oxidação natural ao entrar em contato com o oxigênio. 

Depois, elas passam pela etapa de fermentação, que pode ser natural ou provocada,  dividindo o puerh em duas categorias, o cru e o cozido. Ficou confuso? Abaixo explicamos a diferença:

Cru ou sheng: após a oxidação, as folhas são umedecidas ou vaporizadas e colocadas em formas, como discos ou tijolos.

Depois, são armazenadas em ambientes com temperatura e umidade controlada, para que o processo de fermentação ocorra naturalmente. Por isso, apresenta uma coloração mais escura.

Puerh cru em pequenos formato de bolo

O período de tempo de armazenamento pode variar de 1 a 70 anos, de acordo com o objetivo do mestre de chá.

Assim como o vinho, quanto mais envelhecido for o chá,  mais completo será o seu perfil, com aromas mais complexos e sabor mais suave. E obviamente, mais caro.

Cozido ou shou: as folhas são molhadas e ficam em repouso por cerca de 5 dias. 

Puerh em disco cozido

Esse método, considerado mais moderno, permite que se obtenha um puerh com perfil completo, mas sem precisar aguardar tanto tempo, como no método tradicional. Essa variedade apresenta uma coloração mais verde.

Benefícios do chá escuro

Diversas pesquisas apontam benefícios à saúde ligados diretamente ao consumo do chá escuro. Alguns estudos apontam ele como um excelente digestivo, pois ajuda a controlar as bactérias no estômago e intestino e auxilia o processo de digestão dos alimentos após as refeições.

Outros estudos apontam sua capacidade de reduzir o colesterol ruim do organismo e alguns testes demonstraram sua eficácia em dietas específicas para perda de peso.

E assim como os outros chás obtidos a partir da Camellia sinensis, ele também é uma fonte rica de antioxidantes.

Perfil do chá escuro

A suavidade e o perfil terroso é a principal característica do chá escuro. Ele apresenta um licor turvo e de aparência escura, que pode variar da tonalidade do chá preto até se aproximar da cor de um café.

O sabor costuma ser suave a amargo, metálico e pode apresentar aromas terrosos, que remetem a terra, umidade, floresta e frutas secas.

Sem dúvidas, é um dos chás mais diferentes entre as seis variedades, com um perfil complexo e que pode parecer estranho para quem é acostumado a tomar infusões ou chás mais suaves como o branco e o verde.

Quer saber mais sobre os tipos de chás? Conheça mais sobre o branco, amarelo, verde e preto.